segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Cartão de natal



















terça-feira, 15 de novembro de 2011

quarta-feira, 9 de novembro de 2011

Sequências e Projetos


Boas bibliotecas e salas de leitura são ambientes necessários a formação de leitores e escritores.  O aluno precisa compreender a função social da leitura e escrita para motivar-se na produção textual. Para tanto é fundamental que o professor organize com freqüência, momentos de leitura, em que o próprio docente leia em voz alta aos alunos, situações em que os alunos leiam e contem para a turma o que leram, pois o fato de contar serve para reorganizar as idéias proporcionando o aprendizado. A leitura de diferentes tipos de textos favorece a compreensão de que cada texto exerce uma função dentro de determinada situação real, com isso os alunos passam a compreender e identificar as características dos gêneros textuais. Além de momentos de leitura é necessário que o professor organize múltiplas oportunidades para que a turma escreva seus próprios textos. Enquanto escrevem as crianças aprendem as diferenças entre a linguagem falada e escrita, através das intervenções do professor.
A organização da aprendizagem por projetos e, ou sequências didáticas, proporciona ao professor a liberdade de planejar ações seqüenciais que facilitam a produção textual de contos, fábulas, receitas culinárias, histórias em quadrinhos, textos publicitários... O trabalho por projetos deve ser pensado em conjunto com a turma, os alunos devem tomar conhecimento de todas as ações e decisões, estarem cientes das atitudes que devem tomar na organização e realização das tarefas. O projeto deve apresentar um produto final, no qual os alunos participaram em todas as etapas e que tenha uma utilidade real, como: um caderno de receitas, um livro de histórias ou fábulas, boletins informativos... Quando os alunos percebem que seus textos serão lidos por outras pessoas que não o professor, empenham-se melhorando a qualidade do trabalho.
A participação dos alunos em todas as etapas do projeto, não significa dizer que o professor deva desenvolver projetos apenas em assuntos do interesse dos alunos. O professor precisa propor aos alunos maneiras para solucionar problemas que a turma está apresentando seja na leitura, na escrita, ou em qualquer outra área do conhecimento. A compreensão de que precisam adquirir determinados conhecimentos, para resolver problemas reais, é que deve ser do conhecimento da turma, para então traçarem juntos às metas e ações para alcançar os objetivos propostos. Freire falou de que o trabalho do professor com os alunos deve partir do que eles já sabem, ou seja, de sua realidade, valorizar o conhecimento do aluno e a partir dele, somar novas informações ampliando sua visão de mundo. Isso vale para a realização dos projetos, os alunos precisam ter consciência do que sabem e do que precisam aprender, para então traçar metas e ações para conseguir o que almejam.  
O projeto não pode ser uma camisa de força engessando os trabalhos, deve haver flexibilidade para replanejar e mudar as ações que não estejam dando o resultado esperado. Para tanto é necessário que a avaliação aconteça em cada etapa durante o processo. Outro ponto importante é a auto avaliação, por parte do docente e dos discentes, terem capacidade para avaliar o que aprenderam o que precisam aprender, e como se empenharam na realização das tarefas. Isso nos dá a consciência de que somos inacabados e como tal devemos estar sempre aprendendo. Saiba mais sobre a organização das atividades em sequências e projetos lendo a entrevista com a pesquisadora Myriam Nemirovsky na revista Nova Escola de outubro 2001. 

sábado, 29 de outubro de 2011

Dia nacional do livro


As tecnologias mudaram, e continuam mudando as formas como adquirimos conhecimentos, as maneiras como nos comunicamos e como armazenamos informação. O dia 29 de outubro é dedicado ao livro para alguns ele está com seus dias contados, talvez isso possa acontecer, mas, ainda há muito prazer em fazer a leitura, sentado em um banco na praça, o livro também é companheiro de viagem nos ônibus, aviões, metrôs. O texto é algo vivo, nunca vai acabar, e se um dia deixar de ser impresso em papeis, continuará sendo publicado em outras mídias, outros formatos e continuará sendo lido na forma digital em instrumentos multimídias. Já existem hoje bibliotecas que disponibilizam seu acervo aos internautas. Estou falando do Domínio Público, do Museu da LínguaPortuguesa, da Biblioteca digital mundial, esses são alguns endereços entre tantos... 

quinta-feira, 13 de outubro de 2011

Um bilhete de Deus?

Um homem, que enquanto filho nunca teve um bom relacionamento com seu pai, resolve viajar para um acampamento de férias, com seus três filhos menores, a viagem que deveria ser repleta de diversão e alegria, acaba se transformando em uma grande tragédia, com o desaparecimento da filha caçula de 6 anos e meio. Depois de muita investigação, descobriu-se vestígios de que a menina foi assassinada em uma cabana por um Serial Killer.
Sem poder enterrar o corpo da filha, mergulhado em sentimentos de culpa e saudade, que lhe causavam dor e revolta, o pai da menina se entrega a uma grande tristeza, que o isolava do mundo. Mesmo tendo se passado quatro anos do assassinato da filha, ele não conseguia esquecer, e o sofrimento não diminuía.
Um dia gelado, depois de uma grande nevasca, ele encontra na caixa do correio, um bilhete lhe convidando para um encontro na cabana. O curioso é que o bilhete estava assinado por “papai”. O homem se atormenta por saber, que sua esposa muito religiosa se referia a Deus, como papai. Desconfiado, em dúvidas sem saber se teria um encontro com Deus, ou com o assassino de sua filha, ele volta à cabana, lugar de seu mais terrível pesadelo.
Chegando à cabana sua vida dá uma grande reviravolta, aparentemente o lugar estava mudado, ele foi recebido por Deus, Jesus e o Espírito santo para um “acerto de contas”. As conversas sobre vida, morte, dor, perdão, fé, amor e redenção o fazem refletir e compreender alguns dos acontecimentos mais tristes de sua vida. A conversa o leva a conhecer o amor incondicional de Deus, capaz de curar e libertar o coração de mágoas, ressentimentos.
Quer conhecer essa história, leia o livro “A cabana”, de William P. Young. A narrativa envolvente, de uma história emocionante, inspiradora, reveladora e libertadora.

domingo, 9 de outubro de 2011

sábado, 1 de outubro de 2011

segunda-feira, 12 de setembro de 2011

Exemplo para atividade 2.3 Portfólio em hipertexto


Curso Tecnologias na Educação – portfólio digital unidade 01

Na unidade um do curso tecnologias na educação aprendendo e ensinando com as tics, tivemos a oportunidade de aprofundar nosso conhecimento sofre o uso das mídias no processo ensino aprendizagem. Para tanto foi nos sugerido a leitura dos textos: A sociedade da aprendizagem e o desafio de converter informação em conhecimento, Matrizes Curriculares e Aprendizagem continuada ao longo da vida.  Fundamentados nestes, foi produzido um texto reflexivo sobre o papel do professor e da escola diante dessa nova realidade social. Assistimos a um vídeo do professor Ladislau Dowbor sobre Educação e Tecnologia. Discutimos no fórum “educação e tecnologia” como o professor se sente diante da nova realidade social. As tecnologias são utilizadas no cotidiano de professores, gestores  e alunos, portanto estão presentes na escola. Fez-se um levantamento das tecnologias existentes na escola onde cada cursistas trabalha, bem como a maneira que estas são utilizadas na prática pedagógica. Para finalizar esta unidade de estudo cada professor aluno do curso fez um mapa conceitual expressando suas aprendizagens. 

quarta-feira, 24 de agosto de 2011

Webquest


A WebQuest é uma atividade didática para os ensinos Fundamental, Médio e Superior. Através desse tipo de atividade inclui-se nas aulas a internet, pela qual se faz busca de informações na rede. A solução de webquests, contribui para desenvolver o pensamento crítico e reflexivo dos alunos, bem como estimula a criatividade.

O principal objetivo da WebQuest, é desenvolver a pesquisa orientada, seguindo critérios estabelecidos pelo professor, que também pré seleciona os sites a serem visitados. A busca pode ser realizada em grupos ou individualmente, de acordo o tempo disponível, o tema curricular abordado e a disponibilidade dos recursos na escola.  Contudo, é importante ressaltar que trabalho em grupo, apresenta melhores resultados. Pelas WebQuests, propõem-se aos alunos, a resolução de um determinado problema e, ao finalizar a tarefa, eles expõem de algum modo suas conclusões. para saber mais veja este vídeo, ele está em um fórum sobre o assunto no portal do professor.

quarta-feira, 17 de agosto de 2011

SER PROFESSOR NA ERA DA INFORMAÇÃO


Sobre o que é ser professor hoje, Antônio Nóvoa nos coloca que a profissão do professor é de grande complexidade, na atualidade, ainda mais que no passado.  Hoje, os educadores têm que lidar não apenas com os saberes da disciplina que lecionam, mas, também com as tecnologias, com a complexidade social e com a rotatividade do conhecimento que exige formação continuada. No passado depois de formado os professores iam exercer a profissão por 20, 30 anos. Hoje é impossível se pensar nessa situação, a formação do professor precisa ser contínua, ou seja, ao longo de toda a profissão necessitam estar envolvidos em práticas de formação continuada para aprenderem novas competências.  

As competências necessárias à profissão são tema presente nas rodas de discussão sobre a educação hoje. Perrenoud destaca 10 novas competências, Nóvoa aponta duas, a primeira uma competência de organização. Onde o professor é um organizador de aprendizagem, isso é, deixa de ser apenas o transmissor de informação, pois estas estão disponíveis em todas as mídias, nem é o que atua exclusivamente em sua sala de aula, é um organizador do trabalho escolar em suas diversas dimensões, um organizador de aprendizagens na era da informação. A segunda competência refere-se à compreensão do conhecimento, não basta deter o conhecimento é necessário compreendê-lo, ser capaz de reorganizá-lo, de reelaborá-lo para depois transmiti-lo didaticamente em sala de aula.  Então para Nóvoa a nova realidade social requer um professor organizador de situações de aprendizagens que saiba compreender inserir o conhecimento no contexto social e transmiti-lo em sala de aula.

Em entrevista ao Salto para o futuro Nóvoa fala ainda do aumento de missões que foi imposto à escola sobrecarregando o trabalho dos professores, sem dar a estes condições de dignidade profissional. Bons salários, boa formação e uma carreira com planos que lhes de segura, para que tenham condições para responder ao aumento imensurável de obrigações a que estão sendo submetidos e para que possam contestar as exigências de uma sociedade que critica que acusa e cobra dos professores a solução de problemas que não soube como resolvê-los. “Não podemos imaginar escolas extraordinárias, espantosas, onde tudo funciona bem numa sociedade onde nada funciona.” Leia a entrevista na íntegra aqui. 

sexta-feira, 12 de agosto de 2011

A sociedade da aprendizagem


Em seu texto A sociedade da aprendizagem e o desafio de converter informação em conhecimento Pozo nos fala da exigência social de estarmos sempre aprendendo para que de fato façamos parte da sociedade do conhecimento. No passado a imprensa foi causadora de grandes mudanças culturais na aprendizagem, pois expandiu as possibilidades de leitura. No presente as tecnologias da informação estão criando novas formas de distribuir socialmente o conhecimento criando uma nova cultura da aprendizagem. Hoje qualquer pessoa alfabetizada tecnologicamente pode divulgar suas idéias na rede ou acessar textos e produções de outras pessoas, isso quase sem custos, portanto democratizando a difusão  do conhecimento.

É importante observar que aumentou muito a quantidade de informação e que estas estão mais acessíveis a uma parcela cada vez maior da sociedade, porém a aquisição da maioria dessas informações é através da palavra escrita e, portanto a atual sociedade exige além da competência de saber ler a de fazer uma leitura crítica desse universo de informações procedentes de variadas e desconhecidas fontes. Com as novas tecnologias a informação tornou-se volátil e rotativa, com isso escola deixou de ser a principal fonte de informação, no entanto precisa formar alunos que saibam ter acesso, dar sentido e converter  informação em conhecimento.

Para o autor vivemos na era da incerteza onde não há mais verdades estabelecidas e indiscutíveis e sim a diversidade e rotatividade do conhecimento com múltiplas verdades. Nessa perspectiva cabe a escola ajudar os alunos a construírem seu próprio ponto de vista a partir de tantas verdades parciais. Com a rotatividade do conhecimento é importante que os estudantes compreendam a necessidade de aprender de forma flexível e autônoma, ou seja, serem capazes de estarem sempre aprendendo.  Serem competentes para adquirir, interpretar, analisar, compreender e comunicar as informações. Leia o texto aqui. 

sábado, 6 de agosto de 2011

Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação

Para refletir sobre “A escola e a atual sociedade veja a entrevista com o professor Dr. Ladislau Dowbor sobre Educação e Tecnologia. Ladislau fala sobre o uso da tecnologia em diferentes seguimentos sociais. A necessidade da educação criar situações de ensino aprendizagem que preparem os alunos para ser atuante na sociedade em que estão inseridos. Sobre a necessidade de a escola criar mecanismos para ensinar os alunos selecionar e organizar informações.
 

domingo, 31 de julho de 2011

Pedagogia de projetos


A palavra projeto vem do latim projicere e significa lançar para diante, pensar o futuro, imaginar algo que ainda não aconteceu.  Projeto não é simplesmente imaginar um futuro possível, é construir um futuro, é concretizar o amanhã, é transformar em ação uma idéia. É próprio do ser humano projetar, pensar em objetos de desejos, em algo que queira tornar realidade.

A idéia de projeto está presente na maioria das atividades humanas, veja como o termo projeto é usado em diversas circunstâncias. Poderia ser definido como: Um sonho “comprar uma casa, um carro”; uma filosofia “meu projeto para uma educação de qualidade é muito diferente”; um produto ou serviço “o projeto de construção de casas populares”; uma proposta “um projeto de lei”; um desenho “o projeto de um carro”. Em todas as propostas projeto é um conjunto de ações para resolver um problema real, temporário e finito ou a criação de um novo produto.

Na educação o tema projeto também é muito presente, porém quais projetos são discutidos e implantados? O projeto político pedagógico?  Projeto da sala de leitura? Projeto de educação ambiental? Projeto sobre o uso das tecnologias? Há tantos projetos propostos ou (impostos) aos professores sem que estes tenham tempo para repensar sua prática pedagógica integrando as tecnologias aos conteúdos curriculares de maneira a oferecer aos alunos novas formas de construir conhecimento. O trabalho por projetos demanda mudanças nas concepções de ensino e aprendizagem e, portanto na postura do professor que precisa estar aberto ao novo, ao desconhecido, ao não determinado. Pois, o trabalho por projetos requer flexibilidade para reformular as metas e traçar novas ações, à medida que as ações planejadas não atendam os objetivos propostos.

O projeto é um trabalho que pode ser de autoria individual, em grupo ou coletiva, que deve ser executado pelo autor. Pois, não há como ter projeto pelos os outros. Em seu projeto de sala de aula o professor tem o objetivo de orientar a construção do conhecimento pelos alunos, para isso projeta ações que propiciam aos alunos desenvolverem seus próprios projetos de aprendizagem. Na pedagogia de projetos, os alunos aprendem fazendo, levantando dúvidas, pesquisando, e ao professor cabe a tarefa de fazer a contextualização e a mediação pedagógica para que os alunos encontrem sentido naquilo que estão aprendendo.

 No entanto para fazer a mediação pedagógica o professor precisa conhecer o processo de aprendizagem do aluno, sua realidade social, seu universo cognitivo e afetivo, sua cultura, história e contexto de vida. Bem como ter objetividade e clareza em suas intenções para saber intervir no processo de construção do conhecimento do aluno. Nas palavras de Freire ser um professor pesquisador e reflexivo, capas de agir, refletir sobre o impacto de suas ações e agir novamente repensando a prática. Saiba mais sobre pedagogia de projetos aqui. 

domingo, 17 de julho de 2011

Novas tecnologias novas formas de ensinar e aprender

A rede mundial de computadores, ou Internet, surgiu em plena Guerra Fria. Criada com objetivos militares, uma maneira de as forças armadas norte-americanas manterem as comunicações em caso de os inimigos destruíssem os meios convencionais de telecomunicação.  Nas décadas de setenta e oitenta  além de ser utilizada para fins militares, a Internet também foi um importante meio de comunicação acadêmico. Estudantes e professores universitários, principalmente dos EUA, trocavam idéias, mensagens e descobertas pelas linhas da rede mundial. Porém só em 1990 a Internet começou a alcançar a população em geral.

A web um sistema de documentos em hipermídia que são interligados e executados na internet surge em 1991 na Suíça. A partir de então a evolução passou a ser muito mais rápida, em  20 anos a internet e com ela o ambiente em rede a longa distância surgiu como uma nova ferramenta de comunicação acessível a usuários domésticos e empresariais. Deixando de ser usada por poucos pesquisadores enclausurados, para atingir mais de um bilhão de usuários.

A história da criação e do desenvolvimento da internet é a historia de uma aventura humana extraordinária. Que reforça a idéia de que a cooperação e a liberdade de informação podem ser mais favoráveis à inovação do que a competição e o direito de propriedade. Nessa nova realidade social tornou-se muito mais difícil e complexo ser professor, pois, este precisa saber lidar com a tecnologia, já que tem a missão de preparar os alunos para o mercado de trabalho.  É fundamental que o professor não veja o uso da tecnologia na educação como apenas mais um modismo, a tecnologia é real, não se pode mais pensar em trabalho onde não haja, por menores que sejam inovações tecnológicas.

Essa sociedade necessita de cidadãos que saibam interagir com as novas tecnologias, construir conhecimento em rede de aprendizagem entre professores e alunos onde os mais experientes possam ajudar os que têm mais dificuldades. Nesse sentido a experiência pedagógica do professor é fundamental, conhecedor do significado de construir conhecimento o professor deve se questionar como e quando o uso das novas tecnologias em suas aulas proporciona a construção de novos conhecimentos. Estar na rede não nos faz, essencialmente inovadores ou produtores de conhecimento. Traçar roteiros de pesquisa, indicar sites, questionar as informações pesquisadas, são maneiras de o professor colaborar com os alunos na construção do conhecimento. saiba mais vendo o vídeo no youtube 

sábado, 16 de julho de 2011

Acervo digital da revista Veja

Conheçam a linha do tempo da revista veja. Aqui poderão ser encontrados  muitos fatos históricos, desde 1968 até os dias autuais. Nesta viagem você pode construir conhecimentos históricos sobre diversos assuntos que foram divulgados pela revista nestes mais de quarenta anos de existência. Além de acompanhar as mudanças no perfil da revista para acompanhar as mudanças sociais e a evolução do jornalismo na mídia impressa. Conheça aqui o acervo digital. 

quinta-feira, 7 de julho de 2011

Montar quebra cabeça online.

No site http://www.jigidi.com/ você pode criar quebra cabeças online. Estes depois de prontos podem ser montados no site do próprio programa. Isso é o ideal, pois a tela pode ser regulada aproximando ou afastando de acordo com o tamanho da imagem, ou copiar o código e levá-lo ao seu blog.

terça-feira, 5 de julho de 2011

Saiba mais sobre a rede social do Google.

Nova rede social do Google apresenta vários recursos diferentes. Veja o vídeo publicado no Olhar digital.

sábado, 2 de julho de 2011

Mapa Conceitual

A teoria a respeito dos Mapas Conceituais foi desenvolvida na década de 70 pelo pesquisador norte-americano Joseph Novak. Ele define mapa conceitual como uma ferramenta para organizar e representar o conhecimento. Sendo assim mapa conceitual é uma estrutura esquemática para representar um conjunto de conceitos sobre um determinado assunto. É uma representação gráfica semelhantes a diagramas, que indicam relações entre conceitos ligados por palavras ou frases. A estrutura da representação gráfica deve conter os conceitos mais abrangentes até os menos inclusivos, sempre deve ficar claro no mapa quais os conceitos mais importantes e quais os secundários ou específicos. O mapa conceitual é considerado como um estruturador do conhecimento, na medida em que permite mostrar como o conhecimento sobre determinado assunto está organizado na estrutura cognitiva de seu autor. Portanto pode ser usado nas diversas áreas do ensino e da aprendizagem escolar, como planejamento de aulas ou unidades de estudos, resumo para apresentação de um trabalho de pesquisa ou avaliação. Num mapa conceitual os conceitos aparecem dentro de caixas ligados por verbos ou frases de ligação. Existem programas próprios para fazer mapas conceituais, um que é simples gratuito e fácil de usar é o IHMC CmapTools nele os mapas podem ser salvos no próprio programa ou exportados como imagem e PDF. O programa precisa ser instalado no computador, isso pode ser feito gratuitamente com o auxilio do Google e do baixaki. A instalação também é muito fácil.


quarta-feira, 29 de junho de 2011

Habilidades necessárias a sociedade do presente.

A revista nova escola de junho traz uma entrevista com Fernando Reimers professor da Universidade de Harvard. Reimers defende que a globalização e as tecnologias exigem das escolas novas competências. Para que uma Educação seja de qualidade ela precisa preparar os alunos para compreender o local onde vivem, ter atitude para atuar nele, tornando-o melhor. A escolar precisa criar meios para que Professores e alunos aprendam a perceber o mundo a sua volta e enxergar o futuro para que possam desenvolver habilidades úteis ao seu tempo. O contato com a realidade nas comunidades em que vivem os tornará agentes de transformação e inovação social. Isso só cera possível com atividades que levem os alunos a usarem o que sabem para resolver problemas reais com ações criativas colaborando uns com os outro, saber trabalhar em equipe é fundamental na realidade social contemporânea. Para Reimers a educação global é aquela que prepara crianças e jovens para viver e trabalhar em um mundo cada vez mais integrado. Por isso as escolas publicar precisam efetivamente preparar os alunos para falar e entender com fluência outros idiomas.
Hoje a internet, a televisão e outros meios de comunicação oferecem aos alunos informações de todo tipo, portanto mais do que nunca os alunos chegam à escola informados e com um conhecimento construído. Com tantas informações disponíveis e ao alcance dos alunos faz pouco sentido os professores passarem a maior parte do tempo transmitindo isso a eles. Portanto cabe ao professor desenvolver habilidades e competência para trabalhar em parceria com os alunos discutindo idéias propondo soluções para resolver problemas sociais. Isso estimula nos alunos a capacidade de julgar e de ter seus próprios pensamentos tornando-se independente e atuante na sociedade. Mas para que isso ocorra muitas mudanças inda precisam ser feitas e uma delas está na educação superior “a universidade deveria gerar conhecimento sobre como melhorar o ensino público. Na prática, porém, elas ignoram a Educação Básica.” Para saber mais leia a entrevista na revista nova escola de junho, que traz ainda muitas idéias interessantes com planos de aulas que podem ser vistos no site;

segunda-feira, 13 de junho de 2011

Otimzar a pesquisa

De acordo com informações divulgadas Pelo instituto de pesquisas NetCraft em 2009, a Internet mundial atingiu o incrível número de 230 milhões de sites . Para encontrar a informação que desejamos, dentro do excesso de material contido na rede, precisamos fazer uma profunda pesquisa. Na web os recursos são organizados em diretórios, ou seja, um diretório é uma lista de sites ou páginas separados por categorias.

Uma máquina de busca é um sistema capaz de rastrear a Web para localizar e catalogar novas páginas e sites. O Google (www.google.com.br) é a máquina de busca mais utilizada atualmente, por isso é a mais estudada e conhecida de todas. Ela oferece opções de pesquisa direcionada. Como só imagens, só vídeos, só notícias, etc. Ainda permite localizar qualquer lugar no mundo, bem como hotéis, pontos turísticos, através do ícone mapa.

Para localizar informações em arquivos PDF, DOC e outros. Simplesmente digite “filetype: pdf”, dentro do box de procura, diante do termo de sua pesquisa. EX: informática na educação filetype: pdf. Isso vale para qualquer outro formato.

Para procurar informações dentro de um domínio ou site específico, basta acrescentar o site: “domínio”, às informações digitadas na caixa de pesquisa do Google. Ex: educação infantil site: mec.gov.br. A pesquisa vai trazer resultados do domínio pesquisado.

Para restringir a busca de informações, localizando apenas documentos que contenham uma expressão ou trecho de uma frase específica, basta digitar os termos da procura entre aspas. Ex: "Paulo freire". Outra opção é acrescentar o caracteres “-“ ou “+” Ex: para restringir a pesquisa, quando for procurar por remédio +fitoterápico os resultados serão apenas sobre remédios naturais, ou então quando estiver em busca do significado de uma palavra pode usar o terno “define” ou seja, define: globalização, ou ainda quando você pretende excluir informações pode usar o sinal de menos Fernando Henrique Cardoso –presidente o Google vai trazer textos do autor como sociólogo e não como presidente. Espero que as informações sejam uteis e possa facilitar o trabalho de pesquisa.

terça-feira, 7 de junho de 2011

A pesquisa na rede mundial de computadores.

A tecnologia esta cada vez mais presente na vida dos estudantes, muitos recorrem à busca na internet para realizarem a maioria dos trabalhos. Pois ela é uma fonte inesgotável de informação, a praticidade em copiar e colar informações pode ser um dos motivos pelo qual alguns alunos a utilizam. Como a maioria dos alunos não aprendeu como usar a internet com os educadores é importante que algumas orientações sejam dadas aos educandos para que aprendam encontrar informações e construir conhecimento utilizando a rede mundial. Para ajudá-los a usarem corretamente a busca é importante que estes compreendam que a busca exige prática de leitura, que é necessário aprender a escolher os sites, saber selecionar informações confiáveis e compreender o peso das imagens no processo.
Alguns comportamentos são observados em alunos que usam a rede mundial como fonte de pesquisa. Quando a preocupação é apenas em fazer o trabalho o aluno digita em um site de busca (Google, Yahoo) palavras ou frases abre o primeiro site que trata do tema e copia. Quando tem consciência da necessidade de aprender o aluno lê as informações, faz comparações entre sites, procura ter certeza se o que encontrou é o que realmente estava procurando, daí à necessidade de conhecimento prévio dos assuntos a serem pesquisados. Percebe-se que a pesquisa na internet é um processo complexo que requer o auxílio constante do professor, pois, o site de busca não é capaz de interpretar nada apenas traz os resultados mais acessados. Há uma diferença entre perguntar ao professor e a uma máquina e isso deve estar claro para o aluno, para que compreenda que ele precisa ler selecionar e classificar as informações. No próximo post farei um texto com algumas regras de otimização da pesquisa. Saiba mais sobre o assunto no endereço, click em material de apoio, livro de filosofia e em textos de capacitação.

quarta-feira, 11 de maio de 2011

A aventura de viver

Augusto Cury escreveu, “A vida é uma grande aventura onde noites e dias se sucedem”. Em uma aventura não há precisão, o planejamento precisa ser flexível, vive-se cada momento, suas alegrias, tristezas e desafios. Esses se tornam freqüentes quando o momento é o único tempo que temos. Não há tempo para devaneios, pois, a necessidade de tomar decisões é o despertar para a realidade. “Noites e dias”, talvez o autor tenha pensado que a aventura de viver tenha momentos de escuridão e de falta de chão, momentos ruins. Porém esses logo são atropelados pela luz, a alegria ou a sensação de vencedor ao perceber que momentos insuportáveis também passam. O bom da vida é que se vive um dia após o outro, um momento de cada vez e que tudo passa. No momento mais difícil da minha vida percebi que pensar no que ainda está por vir é aumentar o sofrimento, viver intensamente o momento presente, seja ele bom ou ruim é a maneira mais fácil de superá-lo. Há momentos que são inesquecíveis pela intensidade da alegria ou da dor que causam. Porém nos fazem perceber que somos seres humanos com capacidade de crescer e evoluir.

sexta-feira, 6 de maio de 2011

Mãe




Mãe, uma mulher que pela imensidão de seu amor, tem um pouco de Deus e muito de anjo.
Que quer estar ao lado dos filhos nos momentos de dor.
Que mesmo estando longe, sofre, se entristece, chora junto ou se emociona se alegra, ri com os filhos.
É Torcedora fiel, sente-se vitoriosa em cada conquista de seus filhos.
Mãe seja pobre, rica, negra... É intercessora, diariamente reza pela saúde, proteção, prosperidade e felicidade dos filhos.
Mãe mesmo quando erra pensa estar fazendo o melhor para seus filhos.
Por isso, neste dia dedicado a todas as mães peço a Deus, que atenda seus pedidos. Pois esse é o presente almejado por todas. Não há nada mais satisfatório que ver os filhos com saúde, felizes, prósperos e realizados. Parabéns a todas as mães pela capacidade de amar incondicionalmente.