quarta-feira, 23 de setembro de 2009

Saltos no tempo

Programa de formação continuada em Tecnologias na Educação.

video

domingo, 13 de setembro de 2009

O mundo Wiki

O termo wiki é utilizado para identificar um tipo específico de coleção de documentos em hipertexto ou para identificar o software colaborativo usado na criação desses, pois permite a edição coletiva dos documentos usando um sistema que não necessita de revisar o conteúdo antes de sua publicação.

O Wiki Web permite que os documentos sejam editados coletivamente. Essa tecnologia facilita a criação e alteração de páginas pelos próprios usuários, portanto se você estiver navegando por uma página wiki e encontrar dados defasados ou tiver certeza de que aquilo que está publicado não é correto pode corrigir, ou editar um novo texto. Os problemas que se podem encontrar em wikis são artigos feitos por pessoas que nem sempre são especialistas no assunto, ou até vandalismo, substituindo o conteúdo do artigo. Porém, o intuito é, justamente, que a página acabe por ser editada por alguém com mais conhecimentos.
O exemplo mais conhecido de wiki é a enciclopédia Wikipédia editada em vários idiomas e muito difundida na web, está sempre entre as dez primeiras páginas buscadas pelo Google, portanto muito utilizada nas pesquisas dos alunos. O fato de esta ser uma construção coletiva não a desqualifica apenas exige atenção do professor na correção dos trabalhos.

O uso dos sistemas wikis na educação ainda é restrito. Para se obter sucesso é preciso muitas vezes, mudar a mentalidade do uso das tecnologias na educação, essa não seria apenas uma fonte de informação, mas um ambiente onde professores e alunos poderiam editar suas produções, ou seja construirem juntos páginas wikis.

segunda-feira, 7 de setembro de 2009

Conhecimento em rede

A internet surgiu há muito pouco tempo e é hoje uma fonte de informação poderosíssima. Dentre seus feitos está a capacidade de criar no ser humano o desejo de compartilhar informações, cooperar em trabalhos e pesquisas proporcionando a construção e distribuição de conhecimentos. As pesquisas que antes eram feitas em laboratórios fechados às escondidas, informações passadas apenas a súditos, estão disponibilizadas na rede despertando curiosidades e interesses de outros pesquisadores que passam a trabalhar de forma colaborativa acelerando descobertas.

Projetos cooperativos possibilitaram avanços na ciência em busca de melhores condições de vida aos seres humanos, um exemplo é o projeto Genoma Humano pelo qual se fez o seqüenciamento do conjunto de moléculas de DNA. Uma ação conjunta de cientistas de vários países entre eles França, Alemanha, Estados Unidos que a distancia na rede compartilharam informações e descobertas, dessa ação conjunta resultou o mapeamento do genoma humano. Outros projetos são realizados a distancia e em conjunto, como: pesquisas com células troncos, com física quântica ou em nanotecnologias que prometem melhorias significativas na indústria e sociedade.

Percebe-se que o avanço tecnológico quebrou o monopólio da informação e do conhecimento deixando esse acessível a todos os interessados. A educação que era tida como detentora vê-se obrigada e descobrir novas formas de interação entre professor - aluno - conhecimento. Poderia listar inúmeros projetos de disponibilização e construção do conhecimento em rede, entre eles está o ambiente do MEC eproinfo criado com a finalidade de subsidiar a troca de informação e a produção colaborativa do conhecimento por professores e alunos participantes de um curso à distância. Esse possibilita a troca de informações através de fórum, lista de discussão, correio eletrônico, mural, portfólio, e o chat que permite comunicação síncrona de forma interativa e dinâmica. O conhecimento das diferentes formas de interação disponibilizadas na rede tornou-se uma necessidade. Maria Carolina Santos de Souza coloque que “No momento em que a linguagem é compreendida a utilização da tecnologia favorece a realização de experiências criativas e inovadoras.”

A educação mediada por computadores ultrapassa os limites geográficos, respeita a velocidade em que a informação navega em diferentes mídias eletrônicas, amplia o espaço da sala de aula, possibilita a construção de ambientes virtuais para interação entre professores - alunos e execução de trabalhos colaborativos em rede. É bom que se diga que a comunicação e interação em rede não é a salvação para a educação, pois velhas práticas em ambiente novo não é significado de mudança, nem de melhorias. No texto Pingos nos is Cavalcanti e Nepomuceno dizem que “estar na rede não nos faz, necessariamente, gerar inovação ou conhecimento. Colocar um usuário diante de um computador conectado não o deixará mais integrado ao mundo moderno – como, aliás, temos visto em diversos projetos de Inclusão Digital no Brasil e no mundo.” A realidade social exige um novo paradigma no fazer pedagógico.