quarta-feira, 24 de agosto de 2011

Webquest


A WebQuest é uma atividade didática para os ensinos Fundamental, Médio e Superior. Através desse tipo de atividade inclui-se nas aulas a internet, pela qual se faz busca de informações na rede. A solução de webquests, contribui para desenvolver o pensamento crítico e reflexivo dos alunos, bem como estimula a criatividade.

O principal objetivo da WebQuest, é desenvolver a pesquisa orientada, seguindo critérios estabelecidos pelo professor, que também pré seleciona os sites a serem visitados. A busca pode ser realizada em grupos ou individualmente, de acordo o tempo disponível, o tema curricular abordado e a disponibilidade dos recursos na escola.  Contudo, é importante ressaltar que trabalho em grupo, apresenta melhores resultados. Pelas WebQuests, propõem-se aos alunos, a resolução de um determinado problema e, ao finalizar a tarefa, eles expõem de algum modo suas conclusões. para saber mais veja este vídeo, ele está em um fórum sobre o assunto no portal do professor.

quarta-feira, 17 de agosto de 2011

SER PROFESSOR NA ERA DA INFORMAÇÃO


Sobre o que é ser professor hoje, Antônio Nóvoa nos coloca que a profissão do professor é de grande complexidade, na atualidade, ainda mais que no passado.  Hoje, os educadores têm que lidar não apenas com os saberes da disciplina que lecionam, mas, também com as tecnologias, com a complexidade social e com a rotatividade do conhecimento que exige formação continuada. No passado depois de formado os professores iam exercer a profissão por 20, 30 anos. Hoje é impossível se pensar nessa situação, a formação do professor precisa ser contínua, ou seja, ao longo de toda a profissão necessitam estar envolvidos em práticas de formação continuada para aprenderem novas competências.  

As competências necessárias à profissão são tema presente nas rodas de discussão sobre a educação hoje. Perrenoud destaca 10 novas competências, Nóvoa aponta duas, a primeira uma competência de organização. Onde o professor é um organizador de aprendizagem, isso é, deixa de ser apenas o transmissor de informação, pois estas estão disponíveis em todas as mídias, nem é o que atua exclusivamente em sua sala de aula, é um organizador do trabalho escolar em suas diversas dimensões, um organizador de aprendizagens na era da informação. A segunda competência refere-se à compreensão do conhecimento, não basta deter o conhecimento é necessário compreendê-lo, ser capaz de reorganizá-lo, de reelaborá-lo para depois transmiti-lo didaticamente em sala de aula.  Então para Nóvoa a nova realidade social requer um professor organizador de situações de aprendizagens que saiba compreender inserir o conhecimento no contexto social e transmiti-lo em sala de aula.

Em entrevista ao Salto para o futuro Nóvoa fala ainda do aumento de missões que foi imposto à escola sobrecarregando o trabalho dos professores, sem dar a estes condições de dignidade profissional. Bons salários, boa formação e uma carreira com planos que lhes de segura, para que tenham condições para responder ao aumento imensurável de obrigações a que estão sendo submetidos e para que possam contestar as exigências de uma sociedade que critica que acusa e cobra dos professores a solução de problemas que não soube como resolvê-los. “Não podemos imaginar escolas extraordinárias, espantosas, onde tudo funciona bem numa sociedade onde nada funciona.” Leia a entrevista na íntegra aqui. 

sexta-feira, 12 de agosto de 2011

A sociedade da aprendizagem


Em seu texto A sociedade da aprendizagem e o desafio de converter informação em conhecimento Pozo nos fala da exigência social de estarmos sempre aprendendo para que de fato façamos parte da sociedade do conhecimento. No passado a imprensa foi causadora de grandes mudanças culturais na aprendizagem, pois expandiu as possibilidades de leitura. No presente as tecnologias da informação estão criando novas formas de distribuir socialmente o conhecimento criando uma nova cultura da aprendizagem. Hoje qualquer pessoa alfabetizada tecnologicamente pode divulgar suas idéias na rede ou acessar textos e produções de outras pessoas, isso quase sem custos, portanto democratizando a difusão  do conhecimento.

É importante observar que aumentou muito a quantidade de informação e que estas estão mais acessíveis a uma parcela cada vez maior da sociedade, porém a aquisição da maioria dessas informações é através da palavra escrita e, portanto a atual sociedade exige além da competência de saber ler a de fazer uma leitura crítica desse universo de informações procedentes de variadas e desconhecidas fontes. Com as novas tecnologias a informação tornou-se volátil e rotativa, com isso escola deixou de ser a principal fonte de informação, no entanto precisa formar alunos que saibam ter acesso, dar sentido e converter  informação em conhecimento.

Para o autor vivemos na era da incerteza onde não há mais verdades estabelecidas e indiscutíveis e sim a diversidade e rotatividade do conhecimento com múltiplas verdades. Nessa perspectiva cabe a escola ajudar os alunos a construírem seu próprio ponto de vista a partir de tantas verdades parciais. Com a rotatividade do conhecimento é importante que os estudantes compreendam a necessidade de aprender de forma flexível e autônoma, ou seja, serem capazes de estarem sempre aprendendo.  Serem competentes para adquirir, interpretar, analisar, compreender e comunicar as informações. Leia o texto aqui. 

sábado, 6 de agosto de 2011

Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação

Para refletir sobre “A escola e a atual sociedade veja a entrevista com o professor Dr. Ladislau Dowbor sobre Educação e Tecnologia. Ladislau fala sobre o uso da tecnologia em diferentes seguimentos sociais. A necessidade da educação criar situações de ensino aprendizagem que preparem os alunos para ser atuante na sociedade em que estão inseridos. Sobre a necessidade de a escola criar mecanismos para ensinar os alunos selecionar e organizar informações.
  video