domingo, 31 de julho de 2011

Pedagogia de projetos


A palavra projeto vem do latim projicere e significa lançar para diante, pensar o futuro, imaginar algo que ainda não aconteceu.  Projeto não é simplesmente imaginar um futuro possível, é construir um futuro, é concretizar o amanhã, é transformar em ação uma idéia. É próprio do ser humano projetar, pensar em objetos de desejos, em algo que queira tornar realidade.

A idéia de projeto está presente na maioria das atividades humanas, veja como o termo projeto é usado em diversas circunstâncias. Poderia ser definido como: Um sonho “comprar uma casa, um carro”; uma filosofia “meu projeto para uma educação de qualidade é muito diferente”; um produto ou serviço “o projeto de construção de casas populares”; uma proposta “um projeto de lei”; um desenho “o projeto de um carro”. Em todas as propostas projeto é um conjunto de ações para resolver um problema real, temporário e finito ou a criação de um novo produto.

Na educação o tema projeto também é muito presente, porém quais projetos são discutidos e implantados? O projeto político pedagógico?  Projeto da sala de leitura? Projeto de educação ambiental? Projeto sobre o uso das tecnologias? Há tantos projetos propostos ou (impostos) aos professores sem que estes tenham tempo para repensar sua prática pedagógica integrando as tecnologias aos conteúdos curriculares de maneira a oferecer aos alunos novas formas de construir conhecimento. O trabalho por projetos demanda mudanças nas concepções de ensino e aprendizagem e, portanto na postura do professor que precisa estar aberto ao novo, ao desconhecido, ao não determinado. Pois, o trabalho por projetos requer flexibilidade para reformular as metas e traçar novas ações, à medida que as ações planejadas não atendam os objetivos propostos.

O projeto é um trabalho que pode ser de autoria individual, em grupo ou coletiva, que deve ser executado pelo autor. Pois, não há como ter projeto pelos os outros. Em seu projeto de sala de aula o professor tem o objetivo de orientar a construção do conhecimento pelos alunos, para isso projeta ações que propiciam aos alunos desenvolverem seus próprios projetos de aprendizagem. Na pedagogia de projetos, os alunos aprendem fazendo, levantando dúvidas, pesquisando, e ao professor cabe a tarefa de fazer a contextualização e a mediação pedagógica para que os alunos encontrem sentido naquilo que estão aprendendo.

 No entanto para fazer a mediação pedagógica o professor precisa conhecer o processo de aprendizagem do aluno, sua realidade social, seu universo cognitivo e afetivo, sua cultura, história e contexto de vida. Bem como ter objetividade e clareza em suas intenções para saber intervir no processo de construção do conhecimento do aluno. Nas palavras de Freire ser um professor pesquisador e reflexivo, capas de agir, refletir sobre o impacto de suas ações e agir novamente repensando a prática. Saiba mais sobre pedagogia de projetos aqui. 

domingo, 17 de julho de 2011

Novas tecnologias novas formas de ensinar e aprender

A rede mundial de computadores, ou Internet, surgiu em plena Guerra Fria. Criada com objetivos militares, uma maneira de as forças armadas norte-americanas manterem as comunicações em caso de os inimigos destruíssem os meios convencionais de telecomunicação.  Nas décadas de setenta e oitenta  além de ser utilizada para fins militares, a Internet também foi um importante meio de comunicação acadêmico. Estudantes e professores universitários, principalmente dos EUA, trocavam idéias, mensagens e descobertas pelas linhas da rede mundial. Porém só em 1990 a Internet começou a alcançar a população em geral.

A web um sistema de documentos em hipermídia que são interligados e executados na internet surge em 1991 na Suíça. A partir de então a evolução passou a ser muito mais rápida, em  20 anos a internet e com ela o ambiente em rede a longa distância surgiu como uma nova ferramenta de comunicação acessível a usuários domésticos e empresariais. Deixando de ser usada por poucos pesquisadores enclausurados, para atingir mais de um bilhão de usuários.

A história da criação e do desenvolvimento da internet é a historia de uma aventura humana extraordinária. Que reforça a idéia de que a cooperação e a liberdade de informação podem ser mais favoráveis à inovação do que a competição e o direito de propriedade. Nessa nova realidade social tornou-se muito mais difícil e complexo ser professor, pois, este precisa saber lidar com a tecnologia, já que tem a missão de preparar os alunos para o mercado de trabalho.  É fundamental que o professor não veja o uso da tecnologia na educação como apenas mais um modismo, a tecnologia é real, não se pode mais pensar em trabalho onde não haja, por menores que sejam inovações tecnológicas.

Essa sociedade necessita de cidadãos que saibam interagir com as novas tecnologias, construir conhecimento em rede de aprendizagem entre professores e alunos onde os mais experientes possam ajudar os que têm mais dificuldades. Nesse sentido a experiência pedagógica do professor é fundamental, conhecedor do significado de construir conhecimento o professor deve se questionar como e quando o uso das novas tecnologias em suas aulas proporciona a construção de novos conhecimentos. Estar na rede não nos faz, essencialmente inovadores ou produtores de conhecimento. Traçar roteiros de pesquisa, indicar sites, questionar as informações pesquisadas, são maneiras de o professor colaborar com os alunos na construção do conhecimento. saiba mais vendo o vídeo no youtube 

sábado, 16 de julho de 2011

Acervo digital da revista Veja

Conheçam a linha do tempo da revista veja. Aqui poderão ser encontrados  muitos fatos históricos, desde 1968 até os dias autuais. Nesta viagem você pode construir conhecimentos históricos sobre diversos assuntos que foram divulgados pela revista nestes mais de quarenta anos de existência. Além de acompanhar as mudanças no perfil da revista para acompanhar as mudanças sociais e a evolução do jornalismo na mídia impressa. Conheça aqui o acervo digital. 

quinta-feira, 7 de julho de 2011

Montar quebra cabeça online.

No site http://www.jigidi.com/ você pode criar quebra cabeças online. Estes depois de prontos podem ser montados no site do próprio programa. Isso é o ideal, pois a tela pode ser regulada aproximando ou afastando de acordo com o tamanho da imagem, ou copiar o código e levá-lo ao seu blog.

terça-feira, 5 de julho de 2011

Saiba mais sobre a rede social do Google.

Nova rede social do Google apresenta vários recursos diferentes. Veja o vídeo publicado no Olhar digital.

sábado, 2 de julho de 2011

Mapa Conceitual

A teoria a respeito dos Mapas Conceituais foi desenvolvida na década de 70 pelo pesquisador norte-americano Joseph Novak. Ele define mapa conceitual como uma ferramenta para organizar e representar o conhecimento. Sendo assim mapa conceitual é uma estrutura esquemática para representar um conjunto de conceitos sobre um determinado assunto. É uma representação gráfica semelhantes a diagramas, que indicam relações entre conceitos ligados por palavras ou frases. A estrutura da representação gráfica deve conter os conceitos mais abrangentes até os menos inclusivos, sempre deve ficar claro no mapa quais os conceitos mais importantes e quais os secundários ou específicos. O mapa conceitual é considerado como um estruturador do conhecimento, na medida em que permite mostrar como o conhecimento sobre determinado assunto está organizado na estrutura cognitiva de seu autor. Portanto pode ser usado nas diversas áreas do ensino e da aprendizagem escolar, como planejamento de aulas ou unidades de estudos, resumo para apresentação de um trabalho de pesquisa ou avaliação. Num mapa conceitual os conceitos aparecem dentro de caixas ligados por verbos ou frases de ligação. Existem programas próprios para fazer mapas conceituais, um que é simples gratuito e fácil de usar é o IHMC CmapTools nele os mapas podem ser salvos no próprio programa ou exportados como imagem e PDF. O programa precisa ser instalado no computador, isso pode ser feito gratuitamente com o auxilio do Google e do baixaki. A instalação também é muito fácil.